Escolas da rede municipal de ensino de Marituba se preparam para a 25ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica

0

“Um pequeno passo para um homem, um salto gigante para a humanidade”, assim definiu o astronauta e comandante da tripulação Apollo 11, Neil Armstrong ao chegar à lua em companhia do piloto do módulo de comando, Michael Collins e do piloto do módulo lunar, Edwin Aldrin, em 20 de julho de 1969, na missão da National Aeronautics and Space Administration – Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço – NASA, que durou oito dias.

Passados 53 anos, a humanidade presenciou grandes feitos que visam o desenvolvimento de novas tecnologias e, ao mesmo tempo, viu a ciência, área restrita para algumas pessoas e países do primeiro mundo, ser democratizada, aproximando-se da população, de um modo geral, permitindo com que pessoas, como a aluna do 4°ano, da Escola de Ensino Fundamental Professora Nadéia Guimarães, bairro Decouville, em Marituba, Jade Santiago, de 9 anos, possam, no mínimo, sonhar com uma formação e, posteriormente, trabalhar em locais de renome como a NASA.

Jade Santiago e os colegas de classe participaram da culminância das atividades em preparação para a prova da 25ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica.

Na manhã de segunda-feira, 16 de maio, Jade Santiago e os colegas de classe participaram da culminância das atividades em preparação para a prova da 25ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, a ser realizada na próxima sexta feira, 20 de maio, em todo o Brasil, e que tem como finalidade levar aos alunos de escolas públicas e particulares do ensino fundamental e médio, conhecimento cientifico e embasado sobre a astronomia.

A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica é uma competição nacional realizada pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) desde 1998.

Jade Santiago sonha com a formação superior em química, “porque tem experimentos que ajudam as pessoas em diversas áreas, como a saúde, por exemplo”, disse.

Em 2021, primeiro ano de participação da Escola Nadéia Guimarães, o rendimento dos alunos proporcionou à escola oito medalhas, sendo 1 de ouro; 2 de prata e 5 de bronze.

Além da realização da prova, a OBA tem a Mostra Brasileira de Foguetes, MOBFOG, que visa fomentar o interesse dos jovens pela astronáutica, física, astronomia e ciências, promovendo ainda a difusão do conhecimento básico, de forma lúdica e cooperativa, que mobiliza nacionalmente todos alunos, professores, coordenadores pedagógicos, gestores, pais e/ou responsáveis dos alunos e a comunidade escolar. Esta categoria consiste na construção de foguetes construídos pelos alunos e está dividida em 4 níveis. A escola Nadéia Guimarães participa nos níveis I e II, com alunos do ensino fundamental do 1° ao 5° ano.

Nadéia Guimarães participa nos níveis I e II

A produção do foguete é feita pelos alunos, sendo no nível I com canudo de refrigerante para um voo simples. Já no nível II, a produção se dá com folha de papel e cano PVC 20 mm de diâmetro, na cor marrom; lançado na horizontal e em área aberta, sem pessoas ou animais próximos à área a ser realizada a atividade.
A preparação dos alunos iniciou com plano de aula especifico voltado à astronomia, visita técnica ao Centro de Ciências e Planetário do Pará nos dias 17 e 22 de março e um quiz para todas as turmas, disponibilizado pela coordenação da OBA.

“Nossa expectativa é a melhor possível, pois nesse período além da dedicação dos professores, os alunos mostraram bastante interesse, e com isso queremos elevar o resultado da nossa escola e, consequentemente, o do município de Marituba”, avalia o professor da Educação Geral, Anderson Mescouto.

A rede municipal de ensino de Marituba será representada na 25ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica pelas Escolas Municipais Professora Nadéia Guimarães, Maestro Carlos Gomes, Centro Educacional Mundo Mágico, Raquel de Queiroz e Otília Begot.

Em 2021, 75 alunos de escolas públicas de Marituba foram premiados na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica.

Texto: Ascom Semed / Fotos: Vitor Dagort

 

 

 

 

Os comentários estão fechados.

Acessibilidade